Blog

Plano de aula: 6 ideias para inserir a tecnologia de maneira relevante

  • Fernanda Andreazzi
  • 1 ano atrás
  • Atualizada em 24/01/2018
  • 7 min. de leitura
  •  
  • 11.595 visualizações

A partir da modernização de espaços, ferramentas e práticas educacionais, profissionais da educação em todo o mundo estão trabalhando por uma transformação cada vez mais profunda e efetiva no processo de ensino e aprendizagem. Essa transformação é um processo nascido e desenvolvido dentro de cada espaço de aprendizagem, baseado em uma mudança de hábitos e paradigmas estabelecidos nas relações diárias entre alunos e professores. Não basta esperar que a transformação chegue até a sala de aula, ela precisa ter um ponto de partida dentro do ambiente escolar. Que tal ser um agente dessa mudança na sua escola, começando pelo plano de aula?

Plano de aula: 6 ideias para inserir a tecnologia de maneira relevante

A chegada da Base Nacional Comum Curricular deixa ainda mais evidente a necessidade de trazer a tecnologia para dentro da realidade das escolas. Segundo a BNCC, os estudantes devem desenvolver ao longo da Educação Básica a competência para:

Compreender e utilizar tecnologias digitais de informação e comunicação de forma crítica, significativa, reflexiva e ética nas diversas práticas sociais (incluindo as escolares), para se comunicar por meio das diferentes linguagens e mídias, produzir conhecimentos, resolver problemas e desenvolver projetos autorais e coletivos.

(BNCC)

A seguir, apresentamos 6 ideias para atualizar seu plano de aula e trabalhar a tecnologia de maneira relevante e integrada ao dia a dia da turma. Confira!

1. Interação em ambientes virtuais

Desde a primeira infância, os estudantes da Geração Z estão navegando em ambientes virtuais. Eles comunicam-se com desenvoltura no meio digital, às vezes mais do que seus pais e professores. Incentivar e orientar a interação nesses espaços tem muito a acrescentar à prática pedagógica. Procure identificar as tarefas que podem ser transpostas, facilitadas ou repensadas para o meio digital.

As ferramentas para isso são abundantes: é possível criar grupos e comunidades nas redes sociais; fóruns de discussão com temáticas específicas relacionadas ao conteúdo que está sendo estudado; ou mesmo utilizar um ambiente virtual de aprendizagem, caso a sua escola ou sistema de ensino disponha de um.

2. Textos em formato digital

O consumo de textos em formato digital é baseado na linguagem hipertextual e em uma forma de leitura não linear. O texto em formato digital permite ampliar o conhecimento acerca de uma temática, elucidar e ilustrar conceitos, contextualizar momentos históricos, esclarecer vocabulários específicos, entre diversas outras possibilidades.  A leitura deixa de ser apenas receptiva para tornar-se um processo interativo.

Muitos materiais didáticos já possuem uma versão digital que pode ser aproveitada como recurso em sala de aula ou em casa. Explore também as funcionalidades oferecidas por portais de notícia online, e-books, PDFs interativos etc. O hipertexto permite adicionar links, imagens, vídeos, referências e diversos formatos de conteúdo adicional ao corpo do texto, transformando a forma como lemos e aprendemos. Quando se transforma a forma de ler, modifica-se também a forma de produzir conteúdo.

O hipertexto, pela sua natureza não sequencial e não linear, afeta não só a maneira como lemos, possibilitando múltiplas entradas e múltiplas formas de prosseguir, mas também afeta o modo como escrevemos, proporcionando a distribuição da inteligência e cognição. De um lado, diminui a fronteira entre leitor e escritor, tornando-os parte do mesmo processo; do outro, faz com que a escrita seja uma tarefa menos individual para se tornar uma atividade mais coletiva e colaborativa. O poder e a autoridade ficam distribuídos pelas imensas redes digitais, facilitando a construção social do conhecimento.

(MARCUSCHI, Luiz A. O hipertexto como um novo espaço de escrita em sala de aula. Linguagem e Ensino, Rio Grande do Sul, 2001. v.4, n. 1, p. 79-111.)

A BNCC e os gêneros digitais

A tecnologia está presente ao longo de todo o texto da Base Nacional Comum Curricular. Ela aparece especialmente na leitura, interpretação e produção dos novos gêneros digitais, como:

  • Blogs;
  • Tweets;
  • Mensagens instantâneas;
  • Memes;
  • GIFs;
  • Vlogs;
  • Fanfics;
  • Entre diversos outros.

Se engana quem pensa que os novos gêneros digitais devem ser trabalhados apenas pelo professor de Língua Portuguesa. O trabalho com esses gêneros pode ser explorado em diferentes áreas do conhecimento, valorizando também o trabalho interdisciplinar – como sugere, inclusive, a própria BNCC.

Plano de aula: 6 ideias para inserir a tecnologia de maneira relevante

3. Métodos colaborativos de produção de conteúdo

Uma maneira de engajar os estudantes com o plano de aula da sua disciplina é torná-los parte da construção do conhecimento. Mobilize a criação de um blog para a turma e estimule a interação por meio dos comentários; organize e deixe disponível para consulta um banco de textos e artigos com as produções dos alunos; desenvolva projetos interdisciplinares.

O Google Docs, por exemplo, é uma ferramenta gratuita, que permite construir textos de maneira colaborativa, editando, adicionando comentários e enviando feedback em tempo real. No entanto, existem diversas outras ferramentas disponíveis. Procure pelas melhores soluções que conversem com a realidade e as necessidades da turma.

4. Apresentações em formatos multimídia

É importante empregar recursos tecnológicos ao seu plano de aula, uma vez que o uso de materiais em diferentes formatos (como vídeos, apresentações em slides, mapas mentais etc.) colabora para o engajamento da turma. Além disso, pode servir para enriquecer tanto a aula do professor quanto as apresentações dos próprios alunos.

Algumas ferramentas que apresentam essas funcionalidades são o YouTube (edição e compartilhamento de vídeos), o Google Slides e o Prezi (apresentação de slides e construção de mapas mentais), o PowToon (construção de vídeos e animações – em inglês), entre outras. Busque também compartilhar experiências e conhecer as ferramentas utilizadas por outros professores.

5. Diferentes formatos de avaliação

A tecnologia também pode convergir para o plano de aula no modo de avaliação. Por mais que a prova em papel e caneta – com os alunos em fila e vigiados pelo professor – continue sendo o método de avaliação mais comum, existem formas diferentes de verificar a aprendizagem dos estudantes.

Caso a sua escola utilize um sistema de ensino, uma dica é verificar se ele disponibiliza avaliações em formato digital, como atividades de fixação e reforço, provas e simulados. Você também pode desenvolver suas próprias avaliações, pesquisas e questionários utilizando ferramentas gratuitas como o Google Forms.

6. Aplicativos e softwares educacionais

Utilizar elementos lúdicos para facilitar o entendimento de conceitos, além de estimular e engajar os estudantes para a realização de tarefas, das mais simples as mais complexas, não é nenhuma novidade na área da educação. No entanto, o desenvolvimento tecnológico ocorrido nos últimos anos possibilitou que essa prática fosse transportada para o meio digital e amplamente difundida nas salas de aula em diferentes partes do mundo. Nas pautas mais recentes, esse fenômeno é conhecido como gamificação.

Ao buscar no App Store ou Play Store, na categoria “Educação”, é possível encontrar inúmeros jogos e aplicativos – muitos deles gratuitos – que podem ser aproveitados dentro do contexto educacional.

Banner Catálogo 2020 SAE Digital

O que inserir em seu plano de aula… … e como?
1. Interação em ambientes virtuais
  • Grupos e comunidades nas redes sociais;
  • Fóruns de discussão;
  • Ambiente virtual de aprendizagem;
  • Etc.
2. Textos em formato digital
  • Portais de notícia;
  • E-books;
  • PDFs interativos;
  • Etc.
3. Métodos colaborativos de produção de conteúdo
  • Blog/vlog;
  • Banco de textos e artigos;
  • Etc.
4. Apresentações em formatos multimídia
  • Vídeos;
  • Slides;
  • Mapas mentais;
  • Etc.
5. Diferentes formatos de avaliação
  • Avaliações online;
  • Atividades de fixação e reforço;
  • Simulados;
  • Etc.
6. Aplicativos e softwares educacionais
  • Jogos
  • Aplicativos educacionais;
  • Etc.

E então, o que achou das dicas para inserir a tecnologia em seu plano de aula?

Pensar novas formas de utilização da tecnologia a favor da educação é uma missão de todo profissional que atua hoje nessa área. Procure manter-se atualizado sobre as tendências em tecnologia educacional, acompanhando blogs, revistas e portais de notícia sobre o assunto. Troque experiências com outros profissionais e descubra novas práticas, soluções e ferramentas que estão surgindo a cada dia. 

Você se lembra como foram as suas primeiras experiências com o uso da tecnologia em sala de aula? Que mudanças você percebeu desde então? Deixe o seu relato nos comentários!

Plano de aula: 6 ideias para inserir a tecnologia de maneira relevante

Quer saber mais sobre Tecnologia Educacional, por que utilizar e como implementar na sua instituição de ensino? Leia o nosso super post e saiba tudo sobre o assunto!

Texto atualizado em 08/10/18.

Tags

Fernanda Andreazzi

Ver todos os artigos

12 respostas para “Plano de aula: 6 ideias para inserir a tecnologia de maneira relevante”

  1. Sandro Sérgio Lira da Silva disse:

    Sensacional essa dica é orientação, para dinamizar o processo ensino e aprendizagem dos alunos.

    • Fernanda Andreazzi disse:

      Exatamente, Sandro! Existem muitas formas de utilizar a tecnologia para tornar as aulas mais dinâmicas. Esperamos que aproveite as dicas! 😀

  2. Samanta Novakowski disse:

    O primeiro uso foi o retroprojetor, rádio, depois slides, vídeos e por fim livros digitais.

    Há uma grande evolução a cada geração que atendemos ( já não basta apenas quadro e giz, precisa-se entrar na realidade deles) e a tecnologia, se bem preparada e utilizada, tem muito a agregar no processo de ensino aprendizagem de nossos alunos.

  3. Lana Ingrid disse:

    Joia! As dicas dadas para uma prática pedagogica, para nós, professores é de suma importância. Principalmente pra essa geração tecnológica em que a inovação é algo que deve ser uma constante em sala de aula e também fora.
    #Chipei as dicas

    • Fernanda Andreazzi disse:

      Que bom que gostou das dicas, Lana! Continue acompanhando o Blog SAE Digital para ficar sempre por dentro das novidades sobre tecnologia educacional.

  4. Suely disse:

    Qual faixa etária são alcançadas com ou por essa proposta?

    • Fernanda Andreazzi disse:

      Olá, Suely! Tudo bem? O texto traz ideias para serem utilizadas desde a Educação Infantil até o Ensino Médio, mas não limita ou estipula uma faixa etária. Procuramos apresentar sugestões para a construção dos planos de aula! 🙂

  5. N oeme disse:

    Propostas enriquecedoras!
    Obrigada pelas dicas e orientações.
    Beijos!

  6. RAFAEL REZENDE DE OLIVEIRA disse:

    Parabéns, gostei das dicas para inserir tecnologia em sala de aula, ajudou muito! obrigado!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *