Você já ouviu falar da Síndrome da Impostora?

Existem muitos comportamentos que podem atrapalhar a sua carreira e que muitas vezes nem são percebidos, como é o caso da Síndrome da Impostora, que acomete muitas mulheres no ambiente corporativo e se apresenta como a sensação de não ser boa o suficiente em nada do que faz acompanhada do medo de ser descoberta, como se a qualquer momento alguém fosse descobrir que ela não sabe o que está fazendo. Contudo, apesar de ser chamada de síndrome, não se trata necessariamente de uma condição clínica, mas sim de um conjunto de características que definem essa sensação.

Embora não seja uma exclusividade feminina, esta sensação de insuficiência é muito comum entre as mulheres, pois a cobrança que existe sobre elas gera a necessidade de precisar de validação constante, relacionada à falta de autoestima e de confiança para assumir funções que são tradicionalmente masculinas, gerando a necessidade de trabalhar mais e melhor para ter direito a esse reconhecimento e mérito.

Isso porque, historicamente, as mulheres sempre tiveram um papel social voltado a cuidar da casa, dos filhos e do marido, enquanto que trabalhar e se desenvolver profissionalmente “não era coisa de mulher”. Infelizmente, ainda hoje existe esse pensamento. Com isso, muitas mulheres sentem-se incompetentes e impelidas a ter que provar que são boas no que fazem, pois acreditam não pertencerem àquele espaço e não merecerem aquele emprego.

Esse sentimento desencadeia o que chamamos de “episódio de fraude”, em que a mulher sente que não é boa e não deveria estar naquele cargo e passa a invalidar seu desempenho. Tudo isso soma-se ao excesso de pressão e carga de trabalho, pois, além do emprego, ainda precisam dar conta de outras tarefas, como afazeres domésticos, cuidar dos filhos, entre outros.

Portanto, a Síndrome da Impostora é um termo psicológico que caracteriza um padrão de comportamento no qual a mulher duvida de suas realizações e tem um medo constante de ser descoberta como uma fraude, uma profissional incompetente. É também uma forma de autossabotagem, pois existe medo do sucesso por achar que não merece, que os outros são melhores e que ela poderia ser melhor, então prefere evitá-lo.

Leia também:

Quem são as mulheres destaques na ciência?

Mulheres nas Olimpíadas – A conquista do direito de competir

Dia da Mulher: 10 mulheres homenageadas pelo SAE Digital

O que é Material Didático? Saiba qual a sua importânciaComo identificar a Síndrome da Impostora?

Algumas características que podem indicar que você apresenta a Síndrome da Impostora e podem atrapalhar seu desenvolvimento profissional incluem:

Não saber receber um elogio

Não acredita ter mérito pelas coisas que faz. Por exemplo: seu chefe ou seus colegas de trabalho parabenizam você por uma tarefa que você realizou muito bem e você responde coisas do tipo:

“Ah, não foi nada demais!”.

“Poderia ter sido melhor”.

“Fulano teria feito melhor”.

“Foi sorte”.

Síndrome da Impostora: Perfeccionismo

Espera que tudo saia perfeito e acredita que as coisas que faz nunca estão boas o suficiente e sempre tem que melhorar. Com isso, acaba nunca valorizando seu trabalho e acredita que os outros também não irão. Pessoas assim costumam ter muito medo do fracasso e acabam fracassando justamente por isso, pois diminuem suas conquistas, deixam de fazer certas coisas por acharem que não ficará bem feito e acabam apresentando baixa autoestima. Também se critica constantemente.

Comparação

Está sempre se comparando com os outros e achando que eles são melhores que ela, que esperam algo que ela não conseguirá atender, que seu trabalho não é tão bom quanto o do seu colega. Com isso, muitas vezes prefere não fazer o que gostaria por medo de não atender às expectativas, e isso está relacionado à baixa autoestima.

Síndrome da Impostora: Esforço demasiado

Por acreditar que não é boa o suficiente e que sempre pode melhorar, busca ultrapassar o esperado para tentar alcançar algum mérito, gerando sobrecarga física e psíquica que prejudicam seu desempenho e suas relações no trabalho.

Procrastinar

O medo de errar e não atender às expectativas faz com que a impostora adie ou até mesmo deixe de realizar suas tarefas, sabote o seu trabalho e inverta as prioridades para fugir daquilo que acha que não vai dar conta ou sair como gostaria.

Leia mais:

Gestão escolar: Conheça os 7 pilares fundamentais

Especialistas comentam sobre as tendências de educação

Planejamento Pedagógico — Tudo sobre como fazer!

Como essa autossabotagem da Síndrome da Impostora pode afetar sua carreira?

Todas essas características podem prejudicar a carreira de uma mulher, e por mais que ela queira se desenvolver, a impostora dificulta. O medo do sucesso por achar que não merece faz com que ela evite as chances de conquistá-lo. Por exemplo:

  • Deixa de aceitar uma promoção por não achar que está preparada.
  • Não apresenta ideias por medo de serem ruins e ninguém concordar com elas.
  • Permanece na zona de conforto devido a sua insegurança.
  • Aceita condições desfavoráveis por acreditar que não merece algo melhor.
  • Deprecia-se na frente dos colegas de trabalho.
  • Prejudica seu desempenho por procrastinar.
  • Deixa de fazer muitas atividades que seriam boas por medo de não dar certo.

O que é Material Didático? Saiba qual a sua importância

O que você pode fazer no dia a dia profissional para ajudar?

A Síndrome da Impostora está relacionada a uma desordem da autopercepção, ou seja, a maneira como a pessoa se vê não corresponde à realidade, tornando-se uma crença limitante e que ela alimenta.

Para não deixar que isso prejudique a sua vida profissional, é importante estar consciente e conectada à realidade, adotando algumas estratégias de enfrentamento, por exemplo:

  • Autoconhecimento: conhecer seus pontos fracos e fortes para lidar de forma assertiva com os erros e os acertos, entendendo que ambos fazem parte de nossas vidas.
  • Questionar seus pensamentos e sentimentos: não aceitar tudo o que sua mente produz, analisando se correspondem à realidade.
  • Pedir feedback aos seus gestores: ter um bom diálogo é fundamental para realizar de modo coerente as tarefas designadas, apresentar em quais pontos tem dificuldade e pedir ajuda no que precisar.
  • Trabalhar com metas reais: é impossível ser perfeita. Por isso, precisamos ser realistas quanto ao que conseguimos fazer, pedindo ajuda quando necessário.
  • Ter um mentor: é impossível dar conta de tudo sozinha, então, ter alguém mais experiente pode ajudar a lidar com as dificuldades, orientando sobre como proceder.
  • Sempre se capacitar: estudar, fazer um treinamento ou curso na sua área pode deixar você mais confiante e trazer mais conhecimento, para melhorar seu currículo e validar seu trabalho.

___________________________________________________________________

Você se identificou com algumas dessas características da Síndrome da Impostora? Identificar esses comportamentos é fundamental para não deixar que eles prejudiquem a sua carreira.

Quer saber como o SAE Digital pode ajudar a sua escola? Converse com um dos nossos assessores!

Visite nosso blog e nossas redes sociais para ter acesso a conteúdos exclusivos!

Instagram | Facebook

Síndrome da Impostora

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acessos