Capacitismo – Como combatê-lo no ambiente escolar?


Capacitismo

O capacitismo é um termo relativamente novo, mas cujas ações sempre estiveram presentes em nossa sociedade. Ele é praticado diariamente sem ser percebido e, na maioria das vezes, embora não seja entendido, afeta muitas pessoas.

É fundamental falar a respeito do assunto, para que todos saibam o que é e entendam o mal causado por essa prática. Confira o que é capacitismo e como ele pode ser combatido no ambiente escolar! Leia o post completo!

Capacitismo

Capacitismo – O que é?

O termo capacitismo refere-se ao preconceito e à discriminação baseados na capacidade das pessoas, sendo dirigidos principalmente a pessoas com alguma deficiência.

Vivemos em uma cultura que valoriza os padrões de beleza e a funcionalidade, desse modo, pessoas com deficiência (PCD) costumam ser vistas como incapazes e inadequadas.

Uma abordagem capacitista não reconhece as pessoas pelo que elas são, mas pela sua capacidade de realizar tarefas, ou seja, quem não consegue executar determinadas ações devido a alguma deficiência, não é considerada “normal”.

Essas pessoas são vistas pelos capacitistas como inferiores e recebem um tratamento diferente, como se não fizessem parte da sociedade, sendo excluídas e desconsideradas.

Existe cerca de 14 milhões de brasileiros que apresentam algum tipo de deficiência, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o que representa 6,7% da população, ou seja, é um número bastante expressivo.

Mesmo assim, o preconceito, a discriminação e a exclusão ainda existem. Por serem consideradas minoria na sociedade, essas pessoas têm seus direitos violados e não têm acesso a muitas oportunidades.

Em referência ao Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, foi criada uma hashtag em 2016, #ÉCapacitismoQuando, que nos faz entender melhor o que esse termo significa na prática.

Um grupo de amigos com deficiência física se mobilizou nas redes para debater o tema e conscientizar a população de atitudes cotidianas que se configuram como capacitismo, mas que costumam ser naturalizadas.

A intenção foi ganhar maior visibilidade da população em geral, de modo a não discutir o assunto somente entre a comunidade PCD, para que esse se tornasse um debate público com engajamento de todos.

Confira algumas citações com a hashtag:

  • #ÉCapacitismoQuando você parabeniza amigos de pessoas com deficiência por estarem com elas, como se a amizade fosse uma concessão especial.
  • #ÉCapacitismoQuando as pessoas acham que fila preferencial ou vaga de estacionamento exclusiva é privilégio e não inclusão.
  • #ÉCapacitismoQuando você acha que uma pessoa pública com deficiência tem obrigatoriamente que amar e/ou superar a deficiência dela.
  • #ÉCapacitismoQuando o Brasil sedia os Jogos Paralímpicos, mas passados alguns dias não há mais notícias sobre pessoas com deficiência.
  • #ÉCapacitismoQuando as pessoas me acham arrogante ou orgulhoso por não aceitar ajuda; se precisar, eu peço, obrigado.
  • #ÉCapacitismoQuando tu usa o termo “deficiente” isoladamente para definir uma pessoa inteira, saca? Diga PESSOA COM DEFICIÊNCIA.

Em 2020, o Senado lançou, no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, uma campanha chamada “Capacitismo não tem vez”, para divulgar esse conceito e conscientizar a população da discriminação de pessoas com deficiência, em uma série de reportagens.

Conforme publicado pela campanha, o capacitismo é:

“a atitude preconceituosa contra as pessoas com deficiência por elas não se encaixarem no padrão corporal tido como perfeito ou ideal. É comum que as pessoas pensem que não têm preconceito, afinal, têm colegas de trabalho e amigos com deficiência. No entanto, existem várias situações em que, sem a intenção de discriminar, pode-se agir de forma capacitista”.

Trechos de uma das reportagens, que entrevistou a senadora Mara Gabrilli, que é tetraplégica, explicam melhor esse conceito, pois é relatado por alguém com lugar de fala sobre o assunto:

“O capacitismo erroneamente define a pessoa pela sua deficiência, mas a pessoa é muito mais do que aquele impedimento físico, sensorial, intelectual ou mental. Essa discussão é muito importante, chega em um momento bastante preocupante, em que estamos vivenciando um desmonte das políticas para a pessoa com deficiência”. (Mara Gabrilli)

Ela ainda comenta que, muitas vezes, pessoas com deficiência são rotuladas por suas possíveis limitações, o que é lamentável!

Vale lembrar que a Lei Brasileira de Inclusão reforça o direito de participação plena da pessoa com deficiência na sociedade, o combate à discriminação e a acessibilidade como um direito fundamental.

Capacitismo

Como combater o capacitismo no ambiente escolar?

É preciso reformular o conceito de normal, desapegar dos padrões que geram preconceito e discriminação e entender que todos somos diferentes em alguns aspectos, mas que isso não deve ser um critério para a exclusão.

Com base nisso, a escola deve ser um ambiente que promova uma educação inclusiva e voltada à diversidade. É fundamental ensinar as crianças a respeitar e conviver com as diferenças, mostrando a elas que o capacitismo é uma prática inaceitável que não deve ser reproduzida.

Como proposta, a educação inclusiva faz a integração de pessoas com deficiência no processo educativo das escolas regulares, promovendo a igualdade na aprendizagem.

Desse modo, há a inclusão da Educação Especial ao ensino regular, para unificar as duas modalidades e transformar a escola em um lugar para todos, que acolha os alunos e ofereça apoio àqueles que encontram barreiras para a aprendizagem.

É possível, assim, garantir que crianças e adolescentes aprendam e se desenvolvam num mesmo contexto, convivendo em um ambiente que respeite as diferenças.

O acesso aos serviços e aos recursos pedagógicos de acessibilidade nas escolas regulares elimina a discriminação e a segregação, pois supera o modelo de escolas e classes especiais e transforma a educação e a sociedade em um lugar mais democrático.

A Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva, pretende justamente assegurar a inclusão escolar de alunos com deficiência e garantir o acesso ao ensino regular.

Promover a diversidade no ambiente escolar também contribui com o combate ao capacitismo, pois facilita a inclusão e o respeito à individualidade dos alunos com suas características particulares.

Além disso, é preciso dar voz e espaço às crianças com deficiência, acolhendo e permitindo a elas que se expressem livremente e, principalmente, que não sejam tratadas pelos educadores de forma diferente.

O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência também deve fazer parte do calendário escolar. Ele acontece no dia 3 de dezembro, para lembrar e promover a conscientização sobre o capacitismo.

capacitistas

Como incentivar as crianças a não utilizar expressões capacitistas?

Uma das principais maneiras de combater o capacitismo no ambiente escolar é desnaturalizar expressões comumente utilizadas que caracterizam o preconceito e a discriminação com as pessoas com deficiência.

Para tanto, os educadores precisam apresentar essas expressões aos alunos e mostrar a eles que são ofensivas e não devem ser reproduzidas. São expressões e atitudes aparentemente inofensivas, utilizadas no dia a dia, mas consideradas preconceituosas e discriminatórias para a comunidade PCD.

Confira alguns exemplos do discurso capacitista e de expressões que não devem mais ser reproduzidas:

  • “Retardado”: o uso dessa expressão tem a intenção de ofender o interlocutor por agir de forma equivocada, comparando-o com pessoas que apresentam retardo mental ou deficiência intelectual;
  • “Dar uma de João sem braço”: expressão utilizada para se referir a pessoas preguiçosas, folgadas ou com desinteresse em realizar determinada tarefa, associando-as a quem possui má-formação ou ausência de algum membro;
  • “Mais perdido que cego em tiroteio”: é geralmente dirigida a alguém que não sabe o que está acontecendo ou como proceder em determinada situação, comparando-a a uma pessoa com deficiência visual, que seria incapaz de realizar as mesmas atividades que aqueles que enxergam;
  • “Isso está meio capenga/coxo/manco”: essa expressão costuma ser usava para designar algo quebrado, estragado ou ruim, fazendo referência à deficiência física de pessoas com dificuldade de andar;
  • “Desculpa de aleijado é muleta”: tornou-se um ditado popular para se referir a pessoas que dão desculpas para não fazer algo, como se quem realmente precisa de muletas para andar não fosse aceitável;
  • “Hoje estou meio autista”: é utilizada para expressar que uma pessoa está mal-humorada ou sem vontade de socializar, zombando de uma condição do espectro autista.

Estimular algumas reflexões sobre o tema também é importante para combater o capacitismo e transformar a sociedade em um lugar mais inclusivo e acolhedor, por exemplo:

  • entender que piadas ofensivas nunca são engraçadas;
  • perceber se as pessoas com deficiência estão sendo representadas e incluídas na sociedade, não somente tratadas como cotas;
  • militar a favor da causa;
  • se você não sabe como se dirigir a uma PCD, pergunte a ela para garantir que está sendo adequado em suas colocações;
  • não achar que é especial fazer o mínimo — respeitar e tratar com dignidade outro ser humano;
  • pensar antes de falar e se perguntar se pode ofender alguém;
  • tornar-se inclusivo em todas as esferas da vida.

Combater o capacitismo é um deve de todos nós! A educação é o melhor caminho para alcançar esse objetivo!

Leia também: Educação antirracista: Como educar seus alunos

___________________________________________________________________

O blog do SAE Digital tem a missão de trazer informação à comunidade escolar, buscando construir uma educação focada no senso crítico, com a missão de transformar a sociedade.

Conheça as soluções do SAE para a sua escola, fale com um de nossos assessores e saiba mais!

Visite nossas redes sociais para conferir conteúdos exclusivos!

 

Capacitismo – Como combatê-lo no ambiente escolar?


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Acessos